Marlene Constantino

Cada pedacinho de sonhos guardados, quando tocados renascem, voam como borboletas

Textos


RECONSTRUIR
Marlene Constantino

Quem sabe por um instante,
eu possa despir-me por completo.
Por ora, livrar-me
dessa carcaça mentirosa,
expor ao mundo as minhas verdades.
Quem sabe, por uma noite
eu possa não ter medo do escuro,
voar, num céu distante,
atado na cauda de um cometa;
fazer meu mundo diferente.
Quem sabe, um dia eu possa entender,
que sonhar com as estrelas
faz parte da grande escalada
para chegar ao que se quer alcançar.
Quem sabe, um dia
eu possa ser eu mesmo, olhar em volta
e perceber, que eu tenho apenas uma vida
para dizer a mim mesmo,
que ser feliz é o que mais importa.
Eu sei, que o tempo não pára,
que as horas se perdem no depois.
Quem sabe, seja agora o momento
de dar asas aos meus lábios e dizer
o que ouvem os meus ouvidos,
 ditar meu coração.
Marlene Constantino
Enviado por Marlene Constantino em 26/02/2017

Música: Docemente - Mauricio Duboc E Paulo Silveira

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários



Site do Escritor criado por Recanto das Letras