Marlene Constantino

Cada pedacinho de sonhos guardados, quando tocados renascem, voam como borboletas

Textos



UM VERSO TRISTE
Marlene Constantino

 

    Podia ser infinito, mas não foi assim.

      Trovejou, sacudiu, vergou, desfolhou

      aquela nuvem, que choveu em mim.


      Podia ser alegre, meu verso triste,

      mas a hora não se faz agora.

      Perdi-me frente a um dedo em riste.


      Desmantelou o verso, a prosa,

      partiu-se a palavra, tremulou nos lábios

      só um gemido mudo - Ah_Deus !

      05/01/2009


 
Marlene Constantino
Enviado por Marlene Constantino em 21/04/2017
Alterado em 21/04/2017

Música: Emmanuelle - Pierre Bachelet

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários



Site do Escritor criado por Recanto das Letras