Marlene Constantino

Cada pedacinhos de sonhos guardados, quando tocados renascem, voam como borboletas

Textos


 

SEMPRE-VIVAS
Marlene Constantino

Mansamente sinto brotar sempre-vivas no meu coração... 
E nem é primavera. É tempo para o amor.

Ontem, quando as estrelas ainda luziam no olhar, 
quando o céu abraçava o mar e o mar sentia sede do sol,
as sempre-vivas vinham, abençoar os canteiros, frente às janelas da vida.

Ontem eu pude mordiscar o desejo, clamar ao coração que fosse coração.
Abria as páginas do amor, folheava as minhas vontades, ia além do oceano.
Ah! como mergulhava nos sonhos e ia muito além de sonhar.

Agora me vejo assim novamente, num gozo sem reparo cruzando o infinito, 
tentando entender o canto da brisa tão longe e ao mesmo tempo tão perto de mim.

De repente estou a me ver assim, palpando as trilhas do coração,
Clamando que me tire do solo, e me abrigue num coração quente.

Então vem...  
Como um deus ! Como um louco ! Como um poeta!
Enfeitar o meu céu com estrelas, cobrir meu peito com a tua ternura!

O Sol nos é comum, escreve-me como as sempre-vivas nas linhas do seu coração!!



 
Marlene Constantino
Enviado por Marlene Constantino em 11/12/2017
Alterado em 11/12/2017

Música: Como_Violetas - Franck Pourcel

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários



Site do Escritor criado por Recanto das Letras