Marlene Constantino

Cada pedacinhos de sonhos guardados, quando tocados renascem, voam como borboletas

Textos


Imagem: Arte Rita Lopes

UM DIA ESTAREMOS LÁ
Marlene Constantino


Arde o gosto do amor e da redenção
      Não dá para negar o que é fato consumado.
      Do semblante amado, do palpitar apertado,
      da lágrima escondida, do negrume da dor,
      o coração fez nosso elo inexplicável.
      O amor, o mais chorado, está escrito nas alturas,
      nas pedras do caminho, nas linhas da vida...
      Tão perdido de eternidade.
     Temeroso é o caminho da procura e da espera,
      invadido pelos ecos das heras,  esmagado
pelo pesadelo das horas, num solo amortalhado
de medos e angustias, 
mas o amor foi semeado no vento
      insulflado na correnteza do universo sempre vencido
pela dor  e coroado por suas próprias asas.
     Ainda que se contorçam os sentimentos,
      se esmaguem por dentro
      o amanhã no horizonte se feche anunciando
      o fim do tempo, a terra se perca dos olhos,
      atrás ficarão rastros, pedaços enfeitando o firmamento...
      E, mais além do fim, saberá de mim, saberei de você...
      Falaremos do tempo, que percorremos o infinito
       recolhendo cada uma das estrelas do céu.
      Você sabe que estaremos lá... Sim estaremos lá
e um dia sei
      que aqui voltaremos para cantar o amor!

         19/06/2010

 
Marlene Constantino
Enviado por Marlene Constantino em 07/01/2018
Alterado em 07/01/2018

Música: Cavalgada - No violão

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários



Site do Escritor criado por Recanto das Letras