Marlene Constantino

Cada pedacinhos de sonhos guardados, quando tocados renascem, voam como borboletas

Textos




UM VELHO BARCO
Marlene Constantino


Já ansiei ser um barco, 
navegar mar afora, beber do sol, festejar luares.
Brindar com as nuvens como as baleias e os golfinhos.

Viver o romântico beijo e abraço dos amantes.
Ah como é bom sonhar,
se aninhar e adormecer no peito do amado.

Sim, eu vivi o sonho da ave que explora o imenso mar.
Eu também já senti o gosto de ver o objeto amado às alturas,
sem poder alcançar. Ah eu senti, eu vivi e sobre_vivi !

Hoje já sou um velho barco ancorado,
navegante de infinitas águas. Mares, rios, lagos, 
ilhas em mim, meu refúgio inspirado.

 
Marlene Constantino
Enviado por Marlene Constantino em 25/04/2018
Alterado em 25/04/2018

Música: Coeurs D_Or - Richard Clayderman

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários



Site do Escritor criado por Recanto das Letras