Marlene Constantino

Cada pedacinhos de sonhos guardados, quando tocados renascem, voam como borboletas

Textos




TORPE ADORMECER
Marlene Constantino

^A^¤Söl*®


Quando os meus olhos se fecharem,
 da minha boca não soarem palavras ,
tudo se fará amplidão e silêncio.
Meu universo, se fará luz,
 esvaindo-se no ar...
 
Serei poeira, nuvem num olhar,
 silhueta em véu, desperta em mentes,
em horas revestidas de saudade e ilusão.
 
Tempo este, que não será mais meu.
Serão partes minhas, corrompidas 
pelo adeus, em ecos esparsos,
zumbidos incompreensíveis,
clamores ao vento em torpe despedida.
 
Sei que tu viverás silente,
meu coração alado,
entre os interstícios de um verso sofrido,
saído do punho de um poeta,
que sonhou vida.
 
02/12/2007

 
Marlene Constantino
Enviado por Marlene Constantino em 21/10/2019
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários



Site do Escritor criado por Recanto das Letras